Sinto, logo penso

Sento no puff aqui de casa (mais conhecido como Dr. Ferraz) e estico meus pés no sofá. Penso, penso muito e não paro de pensar.
A vida é o maior paradoxo já existente nesse Cosmo. Tenho percebido que existir é habitar o limiar da dualidade o tempo inteiro e, se por acaso, por alguma fagulha divina ou pela chama constante da luz interior, essa dualidade for superada, então a vida passa a se tratar de compreender (com o coração) a coexistência da contradição. E viver sob o terceiro elemento dessa transcendência. Eu não quero falar difícil e nem parecer intelectual usando esse termos, mas é o que tô pensando agora e o que, fielmente, torno a escrever.
Sinto que meu fazer nessa terra não é sobre o que eu quero e tampouco é sobre mim. Mas é sobre o que eu quero, sim. É sobre o que eu escolho seguir, se escolho me ouvir tomo um caminho, se fecho os olhos e ouvidos para mim mesma, então tomo outro caminho, além de não me honrar. Mas não é sobre o que eu quero e não é sobre me honrar. Só que é sim e não deixa de ser. Há algo que me conduz, muito maior que eu. Mas ainda sou eu. É sobre mim e não é. Compreender a coexistência da contradição. Ou simplesmente aceitar. Viver acima, como a Lua e o Sol. Um ilumina fora e a outra ilumina dentro. Vivem acima e coexistem entre si num algo maior. Não, eu não fumei e nem usei droga nenhuma. Acho engraçado observar meus pensamentos e como eles fazem sentido ao mesmo tempo em que não fazem, porque pensar não é sentir. Escrevo pra por pra fora e por fim entender, mais uma vez, que só interessa o que eu sinto, aqui dentro e lá no alto. Meus pensamentos não interessam. Mas interessam sim.

Anúncios

um amor tão grande me apareceu
assim
brotou em mim

eu rego
pra que floresça
eu rezo
pra abençoar

vem da luz da estrela
pro chão dos meus pés

faz carinho na alma
e ancora
o coração

resgatei-me de mim mesma

resgatei-me de mim mesma.
eu renasci de mim mesma,
como sugeriu cecília.

não é sobre um pretérito perfeito
não é um ciclo fechado
e não se encerrou.

venho apenas do começo
há vinte e três anos que aqui estou.

lembranças vagas de quem sou, fui e serei
lembro de quem virei-a-ser
como se fosse ontem que eu sou.

abraço envolvendo minhas partes.
todo o resto é ilusão.
como passar num funil
pra eterna manifestação?

serei atenta enquanto sonho
durmo vigilante enquanto vivo
faço de mim a casa e o jardim
de ossos eternos enterrados
e flores que nascem e crescem sem fim

o vazio inabitado
eu trago pra mim.
não é fácil integrar as partes
numa realidade forçosamente linear.

um vácuo no tempo pra respirar
abrir os poros
pra mensagem entrar

a confirmação vem
mais uma vez, ela vem
como se eu não a tivesse buscado
e legitima os passos que dei
e os que darei
para comigo, aqui, eu estar.

um livro de hpb a folhear.

eternidade

não sei se tive tempo
de agradecer por tudo
e por nada
ao mesmo tempo

digo que não sei
porque tempo não é algo que se tenha
talvez
seja algo que se sente

sentimos o tempo passar
e passa
feito brisa ou feito ar
passa assim num piscar
ou em passos largos
a caminhar

paro e tiro um tempo
pra pensar
não sei se moro aqui
ou se de fato moro lá


naquele lugar
onde o tempo não espera
a eternidade passar

lá é onde estou
e onde quero estar
lugar onde eu posso
chamar
de lar

lá é aqui
e agora
pode ser depois também
e pode ser lá fora

lá pra onde vou
lá da onde vim
lá que eu agradeço
por estar e ser
sem
fim

o que há de verdadeiro

procuro o que muito há de verdadeiro
nessas terras terrenas

há muito procuro
o que há de verdadeiro
nessas terrenas terras

terra em que piso
chão que firmo os pés
olhos que saltam fundo
em cada um
que me atravessa

olhos que procuram
o que é que há de verdadeiro
em toda essa terra
e em todas essas vidas
e terras terrenas

o que eu quero dizer sobre esperança

o que eu quero
dizer
sobre esperança
é
de caminhar
confiante
por ter
a visão
e os olhos grandes
abertos
do coração

aquariana
posso ver
a quantas andam
onde estamos
pra onde vamos
ou queremos chegar

construiremos a terra
nova?
ora
com visão e olhos grandes
é possível dizer:

está
sendo
construída

só não vê quem não
quer
ver

pois eu não espero

quem sabe pra quê esperança pra quem não quer esperar?
esperança de melhores dias eras pessoas
um mundo melhor
esperança
aquilo que está em processo de esperar
pois eu não espero
espere você, sentado, eu esperar
e vá ver se eu tô na esquina
pedindo um cafézinho
esperando ele chegar

eu decidi

eu decidi
inverter a ordem
de tudo o que eu fazia
se eu me recolhia agora eu abro
me abro e abro tudo o que eu quiser
a cabeça a mente o coração a perna
abro porque sim porque sou mulher senhora de mim

não é que eu posso. eu simplesmente faço.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑